Por que o Brasil ficou na última posição no ranking de inovação do Fórum Econômico Mundial?

O ano nem bem começou e já ficamos em último lugar no ranking de inovação do Fórum Econômico Mundial. Apresentado em 08/01/2015, este ranking inédito de inovação é resultado de uma combinação dos dados do monitor global de empreendedorismo (70 países) e do indicador de competitividade (144 países). Como o estudo considerou 5 anos de ambos os indicadores, o cruzamento válido englobou 44 países.

Blog 03 - 25-01-2015

Mas por que o Brasil ficou atrás dos outros 43 países? A resposta já é conhecida, porém a solução ainda está longe da realidade. Os empresários brasileiros apontam 4 principais fatores para este resultado:

  • Burocracia;
  • Falta de mão de obra qualificada;
  • Elevados tributos;
  • Custo da produção.

Você pode ler um pouco mais sobre este assunto no artigo “Empreendedores brasileiros inovam menos, mostra estudo” da revista Veja.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

O que é uma Startup?

Conversando com alguns colegas, observamos que há muita confusão sobre o conceito de Startup. Algumas pessoas acreditam que Startup é uma micro ou pequena empresa, outros corrigem adicionando que é uma micro ou pequena empresa de tecnologia. Estes (Pequena Empresa + Tecnologia) são elementos que compõem o conceito de Startup, porém simplificar uma Startup desta maneira, pode ser classificado como um grande erro.

Blog 02 - 10-01-2015

Particularmente, gosto do conceito de Reinaldo Normand – apresentado no livro Vale do Silício – “(…) startup é uma empresa que começa sem dinheiro, com uma ideia na cabeça e visão de longo prazo. Seu ativo mais importante são os fundadores e a equipe”, ele ainda destaca que há dois pontos principais que diferenciam uma startup de uma empresa tradicional:

  1. Startups possuem um projeto de crescimento exponencial, com foco na escalabilidade para atender mi/bilhões de clientes (no mundo) em curto período de tempo;
  2. Startups buscam gerir a partir de um modelo de negócio sustentável no longo prazo, por meio do uso repetido de seu produto (repetitividade).

Assim que uma Startup atinge os dois pontos com sucesso, ela deixa de ser uma startup e se torna uma grande empresa (ex.: Google, Facebook e Youtube).

E você concorda com este conceito? Se você ficou interessado e gostaria de conhecer um pouco mais sobre Startup indico os sites abaixo:

Associação Brasileira de Startups

Startup – Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Startup Brasil

Wikipedia: Startup Company

Startupi

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

Quais lições de gestão você pode aprender com um bebê em casa?

Nunca vou esquecer o dia 07 de julho de 2014 (07.07.14)! Saímos de casa em dois. Duas horas depois éramos três. O que mais havia escutado nos seis meses anteriores foi: “Sua vida vai mudar totalmente, aproveite para dormir”. Realmente: mudou (não totalmente). A chegada de meu primeiro filho está sendo a experiência mais legal e empolgante que já passei: novas experiências, preocupações diferentes, noites sem dormir (não são tantas), muitas fraldas, brincadeiras já esquecidas e sorrisos gratuitos, enfim, uma montanha russa de experiências e sentimentos.

Um dos desafios mais interessantes foi reestruturar a rotina para acomodar as necessidades de um bebê em casa e ao mesmo momento continuar tendo tempo para estudar, trabalhar, ler e realizar outras atividades que eram simples antes do mesmo. Neste exercício de adaptações e convívio tive a oportunidade de realizar diversas reflexões que extrapolam o lado pessoal, em uma destas cheguei a pergunta-título deste post “Quais lições de gestão você pode aprender com um bebê em casa?”, pode parecer um pouco controversa, mas acredito que a resposta seja: muitas.

Blog 01 - 07-01-2015

1. Planejar sempre é importante: ouvi muita gente falar que não valia a pena ler livros, pois “cada filho é uma experiência única” ou “teoria é uma coisa, a prática é outra totalmente diferente”. Discordo. Antes do nascimento do meu filho, li diversos livros, assisti a diversos vídeos e visitei vários sites sobre o tema. Todo este material indicou o que teríamos pela frente e permitiu planejar a melhor forma de lidar com as situações que iriam surgir nos meses seguintes. É claro que tivemos que rever alguns pontos do planejamento – imprevistos acontecem – mas em geral o planejamento foi e está sendo importante.

No ambiente profissional, planejar bem um projeto ou uma reunião nos permite analisar o melhor caminho para se atingir uma determinada meta. Quanto mais preparado você estiver, melhor.

2. Você deve cultivar a flexibilidade/resiliência todos os dias: nem tudo irá acontecer da forma que você imagina ou quer. Sair de casa para um almoço no domingo pode se tornar uma odisseia, entre trocas de fraldas e novos banhos não programados. O almoço que seria as 12h30 acaba acontecendo (somente) as 14h20, mas vocês almoçam. Você precisa cultivar o equilíbrio, encarar os imprevistos e continuar caminhando para os objetivos maiores. Não pode transformar um imprevisto em uma barreira intransponível. Considere tudo como aprendizado.

Em um dia típico de trabalho, diversas demandas podem surgir, alterando sua agenda inicial. Não gaste tempo reclamando. Adeque seus compromissos, priorize as demandas e continue em direção aos objetivos traçados no planejamento.

3. Não se preocupe tanto: ficar se preocupando com fatos que ainda não aconteceram não irão evitar que eles aconteçam ou não. É perder tempo por nada. Será que ele vai ter alguma reação as vacinas? Será que vai mamar? Será que vai ganhar peso? Muita preocupação consome o seu tempo. Tempo que você poderia dedicar em curtir mais o seu filho ou fazer outra atividade.

Quando um problema acontecer, avalie suas causas, estude possíveis soluções, escolha a melhor solução e execute a mesma.

4. Procure no Google: explore mais esta ferramenta de busca. Quando surgiram alguns probleminhas, buscamos informações, sempre procurando sites profissionais e com boa reputação para esclarecimentos. Até agora, sempre conseguimos aprofundar e buscar soluções para estes pequenos percalços.

O Google permite que você consiga chegar facilmente em informações relevantes para tratar as suas demandas, permitindo que você chegue a soluções não triviais. Quando você estiver enfrentando alguma nova dificuldade, tente buscar informações no Google, você irá encontrar quem pode auxiliar ou casos (e soluções) semelhantes, que poderão te inspirar na solução. Procure mais no Google, se for em inglês, melhor, terá mais opções;

5. Foco e persistência: quando um bebê está com fome, você vai entender o que é foco e persistência. O choro não vai parar até que ele se alimente. Não adianta ficar tentando distraí-lo, você até consegue por alguns minutos, mas o choro volta (e mais forte).

Quantas vezes você acaba desistindo ou protelando uma entrega? Em sua área de trabalho pode haver diversas distrações, porém se você mantiver o foco e agir para atingir suas metas, com certeza terá êxito. Não estou falando para você chorar quando aparecer uma distração, mas para agir e continuar em direção aos seus objetivos.

6. Pessoas certas são tudo: demoramos dois meses para definir a pediatra do nosso filho. Escolhemos muito. Mais valeu a pena. Estamos sendo muito bem assistidos, sempre que precisamos, entramos em contato com ela, que nos auxilia prontamente.

Você está em uma posição de liderança e precisa forma equipe? Dedique-se com muito afinco a esta atividade, invista seu tempo em definir os perfis adequados e em buscar pessoas que atendam a este perfil. Não faça esta atividade de qualquer jeito. Quanto mais dedicação você tiver na formação de sua equipe e no desenvolvimento da mesma, melhores serão os resultados que vocês irão alcançar juntos. Respeite e valorize as pessoas.

7. A felicidade é simples: meu filho vive sorrindo e quando ele sorri todos são contagiados por este sorriso. Quando ele chora, a primeira coisa que eu faço é conversar e sorrir para ele, rapidamente (às vezes nem tanto), ele já está bem. Ele tem muitos brinquedos, mas muitas vezes fica brincando com a etiqueta da fralda, conversa (na língua dos bebês) e ri.

Quantas atividades nós já realizamos de mau humor? Será que as demandas ficaram melhores por isto? Acredito que não. Ter atitudes positivas no trabalho torna o ambiente melhor e nossas atividades fluem. Experimente sorrir mais e ter atitudes mais positivas com seus colegas.

As reflexões continuam, a jornada está apenas no início!

6 Comentários

Arquivado em Sem categoria

Por que Inovar?

Por algum tempo – confesso – fiquei motivado a escrever um post ou artigo sobre o tema “O que é Inovação?” com o objetivo de esclarecer e apresentar os conceitos, pontos discordantes e congruências sobre o tema. Desisti! Não que o assunto não seja interessante, porém acredito que muitos já escreveram, escrevem e escreverão na esteira desta pergunta. Logo, este post não é sobre “O que é” e sim sobre “Por que”.

Atualmente, a palavra “Inovação” está sendo utilizada massivamente, já se está tornando clichê dizer que Inovação está se tornando lugar comum. As empresas desejam vincular sua marca/produto à Inovação; Governos tentam conectar seus Estados ou Cidades ao tema, alguns até criam conceitos, como Capital da Inovação (conheço pelo menos três, que se autodenominaram); Pessoas (físicas) gostam de se classificarem como inovadoras. Acredito que não há problema nenhum, pelo contrário, desde que tenha “conteúdo” (não seja apenas uma jogada de marketing) é positivo, propícia o crescimento, afinal desde que o homem é homem, ele inova (ex.: roda, fogo, etc).

Muito mais importante que se vincular a palavra Inovação, é refletir sobre a importância desta vinculação ou – direto ao ponto – a razão de inovar (Por que?). Não tenho a pretensão de esgotar este assunto ou apresentar uma resposta absoluta, apenas tento trazer alguns pontos de reflexão.

Enquanto indivíduo, por que inovar?

Qual o propósito de sua vida? Você está feliz? O que você precisa para ser feliz? O que realmente você precisa? Inovação neste âmbito deve estar ligada diretamente com seus propósitos de vida. A reflexão aqui deve ser direcionada para o que você quer da vida, analisar como você está agora e inovar no caminho entre o hoje e o futuro desejado.

Você quer um emprego melhor? Será que você está agindo para tal? Pode ser que esteja na hora de você se preparar melhor (fazer uma graduação, MBA, Mestrado ou Doutorado) ou aprender uma nova língua (Inglês? ou Alemão?, talvez Francês?). Vale refletir qual o emprego você quer e o que falta para você conquistar. Depois, é correr atrás e se preparar.

Quer ser promovido no trabalho atual? Será que você está agindo para tal? Sugiro que você reflita sobre suas entregas e sobre as atitudes dos colegas que estão tendo sucesso na sua empresa. Se esforce com afinco, assuma compromissos, entregue mais e melhor, os resultados virão como consequência.

Quer montar seu próprio negócio? Converse com quem já fez e teve sucesso. Estude sobre o negócio em si e sobre como criar e operar uma empresa. Algumas entidades e sites podem auxiliá-lo, para começar sugiro que você visite: SEBRAE e Endeavor Brasil.

Quer ter um relacionamento melhor com a família, com os amigos ou com a esposa? Invés de ficar pensando no que eles deveriam melhorar, se concentre no que você deve melhorar. Há uma frase de Mahatma Gandhi muito boa para esta reflexão: “Seja a mudança que você quer ver no mundo”.

Enquanto empresa, por que inovar?

Há diversos livros sobre o tema, muitos se concentrando em três aspectos: (1) Inovação de produtos/serviços, para atender melhor ou atingir novos clientes/mercados; (2) Inovação nos processos, produzir mais com menos; (3) Inovação na interação de seus colaboradores com o processo produtivo, privilegiando a qualidade de vida e o ser humano.

Enquanto País/Estado/Cidade, por que inovar?

(Antes de iniciar este tópico, gostaria de destacar que o mesmo não é apenas responsabilidade do governo. Organizações e indivíduos devem se preocupar com o mesmo).

Observe o gráfico abaixo (Fonte: New Scientist), não há algo de (muito) errado acontecendo?

Blog 18 - 29-12-2014a

Nosso modo de vida, está destruindo nosso próprio planeta. Diariamente, escutamos que a violência está aumentando nos grandes centros urbanos, que o trânsito está cada vez pior, que muitos não tem acesso a saúde e educação, que os presídios estão superlotados, sentimos os efeitos do calor ou frio intenso, das cheias e secas. Não está na hora de pensarmos em modos diferentes de se viver e de conviver com nosso meio ambiente e com nosso próximo?

Para alguns, a população mundial cresceu a ponto de não conseguirmos mais convivermos harmonicamente com nosso planeta, demoramos 123 anos para sairmos de 1 bilhão para 2 bilhões de habitantes, porém demoramos apenas 12 anos para saltarmos de 6 bilhões para 7 bilhões.

Blog 18 - 29-12-2014b

Há solução? Temos como reverter os índices apresentados na primeira figura? Temos como criar um novo modo de viver (mais consciente e não predatório)? É claro que sim, em nenhuma época da humanidade, a ciência e tecnologia tiveram tão avançadas, nunca tivemos informações tão acessíveis, precisamos utilizar todo este conhecimento para inovar e criar soluções para nossos problemas atuais. Inovar e criar um novo modelo de vida. Inovar e permitir que mais pessoas tenham acesso a educação de qualidade. Incentivar nossos jovens a criar novas soluções para antigos e atuais problemas. Talvez esta seja a maior razão para inovar: melhorar o mundo!

Finalizou este post/reflexão com uma frase de Nelson Mandela: “A educação é a arma mais poderosa para mudar o mundo”.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

O que é um Troll de Patente?

Troll é uma criatura gigante do folclore escandinavo, também conhecido como Ogro. Mas qual a relação destas criaturas com Inovação? Na verdade, o termo Troll de Patente (Patent troll, em inglês) é um termo, pejorativo, que designa pessoas ou empresas que se especializam em adquirir patentes apenas para processar empresas que estão explorando uma tecnologia e não possuem o direito para a mesma.

THE HOBBIT: AN UNEXPECTED JOURNEY

Esta prática, apesar de legal, atrapalha o processo de inovação, pois inibe a criação e/ou exploração de um mercado. Em 2011, estes processos movimentaram quase 30 bilhões de dólares, imagine direcionar estes recursos para P&D&I? Quanto as empresas poderiam inovar mais?

Você pode ler mais sobre este assunto no artigo “Compradores de patentes ameaçam a inovação” da Scientific American Brasil.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

Como está o Brasil no indicador global de inovação?

61º lugar, esta é a posição do Brasil no Índice Global de Inovação 2014, que considera 143 países. O índice é desenvolvido pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual (Ompi), Cornell University (EUA) e Insead (França).

Blog 16 - 11-12-14

Em relação aos BRICS, o Brasil está a frente apenas da Índia (76º), sendo que fica atrás da Rússia (49º), China (29º) e África do Sul (53º).

O relatório completo do índice é bem interessante e apresenta detalhadamente o método e conclusões relacionadas aos países e regiões. Abaixo segue a posição do Brasil em cada um dos 7 pilares do índice:

  • Instituições: 96º lugar;
  • Capital Humano e Pesquisa: 62º lugar;
  • Infraestrutura: 60º lugar;
  • Sofisticação de Mercado: 89º lugar;
  • Sofisticação de Negócio: 37º lugar;
  • Tecnologia e Conhecimento: 65º lugar;
  • Criatividade: 64º lugar.

Para entender melhor estas posições, você pode checar todas as variáveis na página 158 do relatório completo do índice.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

Quais são os melhores estados para se investir?

Pelo terceiro ano consecutivo, foi publicado o estudo – elaborado pela Unidade de Inteligência da Economist – com o ranking dos melhores estados para investir. O ranking é composto por 25 indicadores divididos em oito categorias: Ambiente político, Ambiente Econômico, Regime tributário e regulatório, Políticas para investimentos estrangeiros, Recursos humanos, Infraestrutura, Inovação e Sustentabilidade.

Blog 15 - 11-12-14

A categoria inovação considera:

  • Gastos Públicos com P&D;
  • Gastos Privados com P&D;
  • Presença de Infraestrutura em P&D;
  • Incentivos Fiscais para P&D;
  • Pedidos de Patentes.

A revista Veja criou um infográfico interativo bem interessante sobre o ranking. Vale a pena conhecer.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria