Quais são os principais problemas enfrentados pela Alta Administração?

Em outros posts deste blog, já mencionei (e defendi) a Perspectiva do Alto Escalão – teoria que propõem que os resultados da organização, bem como as decisões estratégicas tomadas para se chegar nestes resultados são reflexos das características da Alta Administração – mas qual (ou quais) o(s) problema(s) que a Alta Administração enfrenta? Existe um padrão? Os problemas enfrentados pelas equipes da Alta Administração de organizações diferentes podem ter semelhanças?

Acredito que SIM. Na verdade alguns estudos acadêmicos realizados nos Estados Unidos da América, na Europa, na Ásia e, até mesmo, no Brasil apontam que sim. Mas quais são estes problemas?

Antes de responder esta pergunta (que intitula este post), se fazem necessário alguns esclarecimentos:

1. A Equipe da Alta Administração (em inglês, Top Management Team – TMT) é formado pelo presidente da organização (em inglês, Chief Executive Officer – CEO) e sua equipe imediata de diretores;

2. Os gerentes não fazem parte da TMT;

3. Não existe padrão quantitativo e nem qualitativo para TMT, em outras palavras, não existe um número de integrantes pré-determinado para a TMT e nem cargos definidos que irão formar a TMT. Na verdade, a única proposição é que o CEO integra a TMT;

4. Hambrick e Mason (1984) é o artigo seminal da Perspectiva do Alto Escalão;

5. Donald Hambrick dedicou a maior parte de sua vida acadêmica para investigar as prerrogativas desta teoria, foram 31 artigos em 30 anos (1980-2009) de trabalho (MEDEIROS, SERRA e FERREIRA, 2009).

Feito os esclarecimentos, vamos à pergunta central: Quais são os principais problemas enfrentados pela Alta Administração?

E sem rodeios, vamos à resposta. Existem quatro problemas comuns que vêem assolando todas as equipes da Alta Administração – em diferentes graus e prioridades, mas comuns a todas –, são eles:

1. O desempenho do CEO tende a ser uma curva em U-Invertido, isto é, cresce nos primeiros anos, mas depois entra em declínio;

2. Dificilmente a TMT possui características homogêneas. Esta heterogeneidade, que muitas vezes pode ser um alavancador para o sucesso, também pode gerar fragmentação e, por conseguinte, implodir a equipe;

3. Gestores Narcistas dentro da TMT, levando à decisões que privilegiam o individuo em detrimento da organização;

4. Aumento da complexidade do ambiente externo, dificultando a tomada de decisões.

Fatos vêm provando que as organizações que conseguem enfrentar estes quatro problemas acabam (1) tendo sucesso superior a média do mercado que atuam e (2) conquistando a vantagem competitiva sustentável. Com base nesta última afirmação, nas próximas cinco semanas irei abordar em detalhes cada um destes problemas e, por fim, fazer um pequeno ensaio sobre as competências exigidas para os novos líderes (sejam eles da TMT, da gerência de nível médio ou mesmo líderes informais) para que estes tenham sucesso em alavancar os resultados das organizações que atuam.

E você? Qual a sua opinião? Esqueci de algum problema?

Próximos posts:

28.01.2011 – “Tende a cair…”

31.01.2011 – “Fragmentos de uma equipe”

10.02.2011 – “Narciscita?! Eu?”

14.02.2011 – “O ritual da complexidade!

22.02.2011 – “Ensaio sobre a nova liderança

Referências

HAMBRICK, D.C. MASON, P.A. Upper Echelons: the organization as a reflection of its top managers. Academy of Management Review, New York, v. 9, n. 2, p. 193-206, 1984.

MEDEIROS, R. Jr. SERRA, A.R.S; FERREIRA, M.P.  Alta Administração como Recurso Estratégico: agenda de pesquisa brasileira a partir de estudo bibliográfico dos trabalhos de Hambrick. Revista Ibero-Americana de Estratégia, São Paulo, v. 8, N. 1, p. 46-65, 2009.

About these ads

2 Comentários

Arquivado em Sem categoria

2 Respostas para “Quais são os principais problemas enfrentados pela Alta Administração?

  1. Lais

    Olá gostaria que me respondesse essa pergunta:
    Explique a capacidade,das equipes de alta administração,de inovar e de fazer mudanças estratégicas.

    • robertomedeirosjunior

      Olá Lais, acredito que a resposta não seja simples e nem simplória. Vejo que diversos fatores estão ligados a capacidade da TMT em inovar e fazer mudanças estratégicas, entre elas:
      – Relação entre a TMT e o CEO: em alguns casos a TMT segue apenas as “ordens” do CEO, em outras palavras, o canal é uni-lateral, o que dificulta o desenvolvimento da inovação;
      – Mercado em que a empresa está inserido: por exemplo (1) caso o mercado seja mais tradicional, a TMT não é exigida a inovar tanto; (2) ou se o mercado é fortemente regulamentado, há uma preocupação em manter mais a ordem e prestação de conta do que inovar ou realizar mudanças estratégicas;
      – Heterogeneidade da TMT: quanto mais diversificada, maior a tensão e maior a chance de criar o novo (inovar). É claro que para isto acontecer, é necessário estruturas preparadas para entender o mercado e permitir a inovação dentro da empresa;
      – Filosofia/Cultura da empresa.

      Atualmente, acredito que a sobrevivência de qualquer organização, esteja atrelada a sua capacidade de inovar em produtos (entendendo o mercado) e processos (otimizando custos), sendo que esta capacidade deve vir de cima-para-baixo, pois torna o processo de inovar muito mais fácil!

      Sugiro que você leia o artigo de Hambrick “The influence of top management team heterogeneity on firms’ competitive moves”.

      Qual sua opinião sobre este tema?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s